A Viagem do Elefante celebra 1 ano de digressão com mais de 90 dias a viver em 15 localidades

Como é que um ano nos faz mais adultos no saber e mais adolescentes nos desejos

Foi no dia 29 de junho de 2013 que o Trigo Limpo teatro ACERT, com a encantadora parceria da Fundação José Saramago e a partilha musical com Luis Pastor, estreou A Viagem do Elefante em Figueira de Castelo Rodrigo.

Um ano passou com maravilhosas experiências de concretização de um projeto que está muito para lá da realização dum espetáculo de teatro de rua, de grande escala de produção.

Trezentos e sessenta e cinco dias decorreram velozmente, talvez freados no tempo pelas memórias embaladas de saudades e afetos que perduram para além de cada período intensamente vivido em cada localidade onde se residiu em coerência com a opção inicialmente traçada.

Não é nada, não é nada, mas as marcas humanas desta viagem advêm de intencionais emigrações em 15 localidades, numa permanência de mais de 90 dias. Três meses representam um quarto deste primeiro ano de convivialidade íntima com José Saramago que tão gentilmente nos contagiou com o seu conto e com um pensamento que adoptámos com valor humano. A energia, entusiamo e talento dos milhares de participantes contribuiram decisivamente para a concretização deste sonho.Que bom, “Sempre chegamos ao sítio aonde nos esperam”. [1]

Cada nova apresentação tem sabor idêntico à estreia. Novos espaços de adaptação cenográfica, quase 1.500 participantes e o afinar natural dos processos de ensaio e redescoberta de renovados impulsos interpretativos impedem rotinas edecalcamento de fórmulas. A cada instante nos surpreendemos pelas inventadas aprendizagens que a prática oferece.

Riscos e dificuldades têm sido colmatados com a energia que, de formas tão genuína, nos é transmitida.
Estamos felizes, pois claro!
Cada vez mais acompanhados!
Encantados por desvendar o prazer de conhecer gente bonita.
Arrebatados pela adesão de mais de 15.000 espectadores que assumem o seu fascínio pela criação artística que reconhece neles o elo mais forte da comunicação participada.
Fascinados por conhecer cada local pela riqueza humana de quem nele habita e sonha com um futuro melhor. E nós, juntos, conhecendo a sua autenticidade.

Um ano de aventura compartilhada a comprovar que “As pessoas não escolhem os sonhos que têm, São, pois, os sonhos que escolhem as pessoas”. [2]

Ora digam-nos lá se não há tantas razões para ser felizes…

[1] José Saramago, A Viagem do Elefante

[2] José Saramago, O Evangelho Segundo Jesus Cristo