Annus Horríbilis (ES)

Chévere 3.0

Sábado, 15 de julho às 22:00 no Palco 1

Uma opereta atravessada por intrigas cortesãs que se estreou em Santiago de Compostela em 1994. Nos 30 anos da companhia teatral Chévere, Annus Horríbilis volta a subir ao palco principal do Tom de festa!

A tripulação do grupo Chévere desembarcou pela primeira vez na ACERT em 1995, para apresentar Annus Horríbilis, uma pequena ópera portátil que depois percorreria boa parte de Portugal com grande sucesso. A cumplicidade que naquele momento surgiu entre a gente do Chévere e do Trigo Limpo foi tão potente que desde então fez desaparecer as fronteiras geográficas e culturais entre a Galiza e Tondela. Agora, em 2017, Chévere cumpre 30 anos sobre os palcos e regressa ao Tom de Festa com esta obra musical para fazer um único espetáculo em Portugal e juntar-se à celebração dos 40 anos da ACERT.

Annus Horríbilis é uma pequena ópera portátil integralmente cantada em galego. Uma picadora cénica que esmiúça os estereótipos do género lírico e reinventa uma fórmula de teatro musical dificilmente classificável. As tribulações da família real britânica são trasladadas para a Galiza para encenar intrigas cortesãs, romances ilegítimos e lutas entre duas antigas linhas dinásticas: os Tamara contra os Cunters. Cinco cantores, um pianista e um apresentador. Por acaso uma ópera precisa de mais alguma coisa?

Dedicamos este espetáculo à memória de Fran Pérez Narf, compositor da música de Annus Horríbilis e integrante daquela tripulação original de Chévere, um criador galego que encontrou na ACERT a sua outra casa e navega para sempre pelos mares sonoros da lusofonia.

Intérpretes: Patricia de Lorenzo, Miguel de Lira, Manuel Cortés, Borja Fernéndez, César Goldi.
Pianista: Suso Alonso
Apresentador: Xron
Musica: Fran Pérez
Libreto: Pepe Sendón
Encenação e dramaturgia: Chévere
Luz: Fidel Vázquez
Som: Xurxo Pinheiro
Comunicação: Xana García
Uma produção Chévere com o apoio do Concelho de Santiago de Compostela.
Chévere é uma companhia residente no Concelho de Teo.
Chévere recebeu o Prémio Nacional de Teatro em Espanha em 2014.