SAX ON THE ROAD

Sexta-feira, 14 de julho às 20:15 no Espaço Jardim – Micro-concerto

Ginga alienígena e ritmo contagiante



Em Junho de 2013 começou a ser gravado o disco HASTA LA VISTA, que reúne um conjunto de dez viagens musicais em que cada tema tem uma geografia própria. Os temas foram construídos gradualmente, a partir da sobreposição de camadas de sons em loop, criando para um saxofone viajante diferentes paisagens sonoras inspiradas em músicas e ambientes de outras latitudes, viagens no terreno e no sofá, nos livros e no cinema, acima de tudo na experiência musical acumulada ao longo dos anos. Tudo isto se nota na participação em diferentes projetos musicais, por vezes muito díspares, que vão da música filarmónica até ao rock, passando pelo experimental, alternativo ou spokenword, como Banda Musical e Artística da Charneca, Orquestr'Up da SFUP, Coty Cream, Perve, New Connection, Os Cactos, Poetry Sux e os Tapete.

Foi com os Tapete que participou no projeto “Portugal Contemporâneo com São Tomé Príncipe”, uma residência artística de três semanas em São Tomé e Príncipe, acabando por ser o principal impulso que levou à criação deste disco. Mais recentemente participou em eventos como por exemplo: MIA - Encontro de Música Improvisada de Atouguia da Baleia, Poetry Slam LX e Poetas do Povo numa mistura de saxofone e poesia.

Em Abril de 2015 do mundo e para o mundo. São assim os Sax On The Road, são assim o Torré (saxofone), o António (trompete) e o Jorge (percussões), que se juntam pela primeira vez em estúdio para dar corpo a Kif-Kif Van, segundo disco de originai do trio lisboeta, editado na ZigurArtists depois de meses de namoro e ansiedade à flor da pele.

Criado a partir das viagens feitas por Torré ao longo dos anos, Sax On The Road é um projeto de ginga quase alienígena, onde os ritmos contagiantes se juntam aos sopros coloridos e alucinantes para criar um disco em que as canções (quase sempre a pedir que o corpo se renda à dança) deixam expostas uma genuinidade e uma honestidade que ligam o Norte de África a Lisboa num caldeirão de influências cada vez mais aprimorado.