Sobre o tdf

27º Tom de Festa
Festival de Músicas do Mundo ACERT – Tondela’17

  

Um acontecimento artístico que faz de Tondela um lugar de confluência cultural onde o tom de matriz da ACERT coabita com a festa que o público reclama e merece

 

A 27ª edição do Tom de Festa – Festival de Músicas do Mundo ACERT continua a revelar e a reinventar ideais da divulgação da diversidade de géneros musicais, relevando o carácter de mestiçagem de sonoridades e poéticas de muitas geografias e solidariedades.

Ainda que a música prevaleça como eixo primordial do Tom de Festa, persiste a vontade de dar à programação um ecletismo que sublinhe a matriz da ACERT: a confluência das distintas expressões artísticas capazes de gerar momentos irrepetíveis capazes de surpreender o público. Mais do que os concertos musicais, todo o espaço do Novo Ciclo ACERT será um grande palco onde, a cada instante, surgem propostas inesperadas que interagem com os espectadores, verdadeiros protagonistas da festa das artes e da cultura que revela a identidade do Festival.

A aposta desta edição patenteia o trabalho dos criadores nacionais que, com inovação e talento, expandem o conceito da música do mundo na exploração da fusão de sonoridades que voltam a ganhar uma importância internacional assinalável.

O fado, o funk mestiço, o rock e o kuduro, a música coral e filarmónica, as novas tendências da música portuguesa, a sonoridade africana e brasileira, numa conjugação com o teatro musical, são ambiências favorecedoras da revelação inesperada de artistas e grupos que deambulam nos espaços insólitos do Festival. O sentido de encenação festiva que anima e caracteriza a ACERT ao longo do seu percurso adquire a maturidade de que a autenticidade é mensageira.

São vinte e duas as propostas musicais que, ao longo dos quatro dias do Tom de Festa, estimularão o público na busca de iguarias artísticas de convivialidade afetuosa. Mas também o sabor se atiça com ementas gastronómicas do mundo, que convidam os espetadores a assistir a lançamentos de livros e discos com showcases de apresentação de trabalhos discográficos duma nova geração insubmissa, mas conhecedora das suas referências.

A exposição da Associação Museu do Cavaquinho faz a ponte entre o tradicional e a universalidade, evidenciando igualmente o trabalho de reconhecidos artistas plásticos nacionais. O Espaço do Tom de Festa é também habitado por ceramistas que, durante os dias do festival, vão construir um forno em papel onde, a par e passo, cozerão as suas peças. A pintura mural irá deixar uma marca registada numa festa que enaltece as cores, sons e paladares...

O acesso a todos os dias do Festival ganha uma acessibilidade atraente. Na compra da “Pulseira 5€ Tom de Festa” os espectadores usufruem de todo o programa, ficando ao alcance de todas as bolsas que preservam a importância da cultura como seu direito de cidadania.

É assim que o Tom de Festa é um itinerário sedutor, que faz de Tondela um lugar onde a cultura em festa povoa anualmente o prazer da familiaridade do público e da comunidade para com a ACERT, habitando o Novo Ciclo como sua devida casa.

 

 

“Mesmo no plural, “música” é vocábulo amplo que se pode referir a muitas formas de desenhar, organizar e produzir sons (e silêncios). Que ele há́ muitas músicas...

Mas é nessa diversidade que a criação e interpretação musical manifesta a sua riqueza, sendo também ela que suscita a emoção e o prazer de quem ouve. A divulgação das suas múltiplas formas e géneros e da enriquecedora mestiçagem entre eles através de significativos criadores e intérpretes deve, por isso e por certo, ser preocupação dominante da actividade de um equipamento com as características do que a ACERT gere e programa em Tondela. É que, se não se pode gostar do que não se conhece, mal conduzida seria ela ao “enquistar-se” num singular tipo de música ou, então, ser seguidista da vulgaridade massificada de muitos meios de comunicação e de promotores de realizações que, muito equívoca e erradamente, se qualificam como “populares”.

(…)

Ao longo de 40 anos, 913 espetáculos (606 já no Novo Ciclo) deram a ouvir artistas e grupos de música popular ou erudita (clássica e contemporânea), rock ou ritmos, melodias e harmonias de cabaret, folk ou sons experimentais, numa diversidade de géneros e origens, que percorrem toda a paleta de sons e muitos cantos do mundo.”

 

João Luís Oliva, ACERT XL O Fio, a Trama e a Urdidura, Edições Afrontamento/ACERT, 2016