Afectos de Viagem de Pilar del Río

 

Gosto de ver crescer o elefante e quero compartilhá-lo com todos…

Obrigado pela vossa dedicação. (…) que fique claro que me parece do mais meritório e um exemplo de trabalho do que há que fazer em tempo de crise – que vos tenhais metido nesta aventura tão forte, ambiciosa, e singular de fazer caminhar a literatura por cidades e campos de Portugal. Precedentes? Que tal Shakespeare? Pois isso: teatro da palavra com os melhores artifícios disponíveis - e muita vontade, irreverência, espírito crítico, paixão pela arte e por romper os modos medievais que seguem imperando (…).
Ver o Elefante [espetáculo] tem que ser um acontecimento das vidas das pessoas, como no conto o foi para os aldeãos que saíam no caminho. Sem lhes importar os rigores climatológicos. Espero que nossos antepassados não tenham sido mais ativos, curiosos e generosos que nós próprios (…).

Beijos para todos,
Pilar